Esse site foi visitado: 2235415 visitantes.
 
 
Report OnLine - Área Exclusiva para Clientes
Login   Senha      


 ABC EXPURGO UM PASSO À FRENTE NO CONTROLE DE PRAGAS    info@abcexpurgo.com.br
BUSCA  

FISPQS das Principais Pragas

Pulga
7
Os Ectoparasitas - Pulgas e Piolhos

pulga.gif (4425 bytes)
Introdução  
icon_pulga.gif (278 bytes)
Vamos abordar neste artigo os insetos (artrópodos) que vivem do homem e de animais de sangue quente. Chamamos de parasita a ser vivo que extrai seu alimento de outro ser vivo, o qual vem a ser seu hospedeiro. Os animais que habitam o tegumento externo ( pele, pêlos, penas, etc.) de seu hospedeiro são classificados como ectoparasitas. Alguns destes são capazes de transportar organismos que causam doencas de um ser para o outro e por isso são chamados de vetores de doenças. No que diz respeito à saúde no trabalho, é objetivo do departamento de higiene e segurança a prevenção e errradicação de doenças relacionadas com a infestação de artrópodos.
Pulgas  
icon_pulga.gif (278 bytes)
O controle de pulgas ocupa um papel de destaque no controle de pragas em geral, em virtude do complexo triângulo pulgas-homem-animais domésticos. Além do desconforto causado pela sua presença, há que se considerar o aspecto saúde, pois apesar da grande maioria das espécie apenas provocar afecções alérgicas na pele, uma espécie em particular - a Xenopsylla Cheops - é o vetor da peste bubônica ou peste negra, que ainda tem vitimado muitas pessoas em todo o mundo, utilizando o rato como seu hospedeiro.
Ciclo Biológico  
icon_pulga.gif (278 bytes)
A pulga passa por um complexo processo de metamorfose. Os ovos (primeira fase) são colocados de preferência no local de abrigo de seu hospedeiro ou ainda em peles, penas, roupas, frestas no assalho, pequenas cavidades em chão rústicos, etc. Desses ovos emergem larvas (segunda fase) que se alimentam de sangue não digerido, encontrado nas fezes das formas adultas. Na terceira fase as larvas formam um casulo, semelhante ao das lagartas, formado com terra, poeira ou outro material disponível e aí permanecem até a eclosão final, quando elas saem prontas para o acasalamento e iniciação do novo ciclo biológico. Nesta última fase, ocorre um estranho fenômeno. A eclosão para a forma adulta somente se faz se houver vibrações que irão "despertá-la" da forma pupal. Esta é a razão pela qual observamos uma grande e súbita população de pulgas aparecer em local que estava  fechado durante certo tempo e ocasionalmente habitado por um animal. As vibrações dos passos de pessoas ao entrarem neste local são suficientes para uma grande quantidade de pulgas. Gatos, cachorros, ratos e até pássaros podem ser os desencadeadores desse problema.
Características  
icon_pulga.gif (278 bytes)
A pulga possui um aparelho bucal sugador que penetra na pele de seu hospedeiro para se alimentar de sangue. Possui pernas musculosas e fortes que permitem que ela atinja de 17 a 20 cm em pulos verticais e 35 a 40 cm em sentido  horizontal. Após cada "refeição"ela coloca de 4 a 8 ovos, que chegam a somar algumas centenas durante toda a sua vida. O relacionamente existente entre a pulga, o rato e a transmissão da peste bubônica deve ser levada em consideração, Procedimento preventivo contra os riscos desta doença consiste na aplicação  de inseticidas na área onde se faz o início do combate aos ratos.
Controle  
icon_pulga.gif (278 bytes)
Deve ser feito tanto nos locais infestados quanto em seus hospedeiros. O veterinário poderá ser consultado neste último caso, não devendo ser empregados inseticidas em animais sem prévia orientação profissional, pois  há riscos de envenenamento acidental. Quanto aos locais infestados, deverão ser removidas e destruídas caixas, panos e outros materiais utilizados como "ninho"pelos animais. Uma aplicação de produto de efeito residual é necessária. Na formulação deverão ser também empregados inseticidas de efeito "Knock down"que vão causar uma redução imediata nos índices de infestação. Em caso de vestiário, os armários deverão, de preferência, permanecer abertos para que se possa obter um controle eficaz.
Piolhos  
icon_pulga.gif (278 bytes)
Há três espécies principais que causam graves problemas ao homem, e cuja multiplicação está intimamente associada às aglomerações de pessoas, sendo freqüentemente encontrados em escolas e fábricas, neste último caso especificamente em vestiários. São elas o Pedículos humanus linnaeus; o Pedículos capitis DeGeer  e o Pthirus pubis (Linnaeus).
A primeira espécie é mais freqüente em local e pessoas onde as condições de higiene são inexistente. Os piolhos se alojam nas roupas e lá põem seus ovos. Só saem à noite para sugar o sangue de seus hospedeiros. As medidas básicas de limpeza do corpo e das roupas são suficientes para sua eliminação. Já no caso da segunda espécie, os problemas são maiores.
Os piolhos se alojam na base dos cabelos e aí "colocam" os seus ovos, que são conhecidos como "lendias". Os ovos são tão firmemente colocados que mesmo após a eclosão do piolho as cascas permanecem e é difícil sua remoção. O ciclo biológico dura cerca de 20 dias e há grande facilidade de estensão de infestação, pois o piolho voa de uma pessoa para outra e imediatamente inicia a ovipostura. Sua presença causa irritação e coceira, que pode resultar em infecções secundária tais como impetigo, furunculose e eczemas. O hábito de usar os cabelos longos favorece em muito a disseminação dessa praga em aglomerações. A última espécie é considerada a de maior importância no aspecto saúde: é o chamado "piolho do pubis" ou "chato". Sua forma é bastante diferente das outras espécies mencionadas. Dá preferência a regiões onde os capilares ( pêlos)  são mais espaçados, daí serem freqëntemente encontrados nos genitais. Podem se alojar, também, nos casos mais raros, em sombrancelhas e cílios. Todos os seus estágios de vida são passados no corpo de seu hospedeiro. 
Podem permanecer por várias horas sugando o sangue de seu hospedeiro, onde crava com firmeza seu aparelho sugador.
Controle  
icon_pulga.gif (278 bytes)
O controle desses ectoparasitas é impossível sem ajuda médica para o tratamento, em primeiro lugar, do hospedeiro. Há várias medidas de apoio a serem tomadas pelo profissional  de combate  de pragas para auxiliar o controle e evitar uma disseminação. Os vestiários de fábricas, clubes, ginásios devem ser tratados com inseticida residual que age assim que um piolho entra em contato com as superficies tratadas, antes mesmo que possa se alojar em outro hospedeiro. O tratamento da parte  inetrna das armários é de grande importância, principalmente se os insetos se alojarem nas roupas e objetos de uso pessoal. O profissional do controle de pragas deverá determinar o tratamento com base na sua experiência pessoal e dados a ele apresentados durante o processo de vistoria local.
 

 

 

 

 

 

 

12/6/2002

 

Al. Dom Pedro de Alcântara 618, São Bernardo do Campo - SP. CEP: 09771-281
NÃO TEMOS FILIAIS NEM REPRESENTANTES